• Português

28.06.2017 - Com apoio da ONU Mulheres, Globo promove ciclo de discussões sobre identidade de gênero


Com o nome de ‘Corpo: Artigo Indefinido’, evento celebra Dia Internacional do Orgulho LGBT e lança 12ª edição do Caderno Globo

Com apoio da ONU Mulheres, Globo promove ciclo de discussões sobre identidade de gênero/

Evento de lançamento será realizado no Rio de Janeiro (Foto: Divulgação) Evento de lançamento será realizado no Rio de Janeiro
Foto: Divulgação

Celebrado mundialmente como o Dia do Orgulho LGBT, o 28 de junho será uma data de reflexão no Rio de Janeiro: nesta quarta-feira, a Globo realiza o fórum ‘Corpo: Artigo Indefinido’ para discutir as questões de gênero. O evento será realizado no Rio de Janeiro, a partir das 13h, no Solar de Botafogo e terá transmissão ao vivo aqui no site. Para a curadoria de conteúdo, a Globo contou com parceria da ONU Mulheres, do Fundo Elas de investimento social e do projeto de justiça social Ssex Bbox.

Durante o evento, também será lançada uma nova edição da série Cadernos Globo, com artigos, entrevistas e depoimentos de especialistas sobre feminismo, equidade, interseccionalidade, entre muitos outros temas sobre as formas de existência. Ao longo do dia ainda haverá atividades artísticas, como apresentação de monólogo, curta-metragem e pocket-show. Uma oficina de caracterização para drag queens – apresentando a cultura do transformismo como forma de sensibilizar o público para este trabalho – completa a programação.

Um dos temas relativos a identidade de gênero é abordado, atualmente, na novela A Força do Querer, com o drama da personagem Ivana (Carol Duarte), que se descobre transgênero. A Globo sempre deu destaque a questões ligadas à sexualidade e papéis sociais no jornalismo e desde os primeiros passos de sua dramaturgia. Em 1971, Ary Fontoura encarnou um dos primeiros personagens homossexuais em ‘Assim na Terra como no Céu’, de Dias Gomes,. Em 1988, ‘Vale Tudo’ já discutia direitos de herança envolvendo pessoas do mesmo sexo. ‘Mulheres Apaixonadas’, de 2003, tratou da homossexualidade entre duas alunas e da violência contra a mulher, através dos personagens de Dan Stulbach e Helena Ranaldi.

O evento realizado nesta quarta-feira (28) é a continuação de uma série de ações realizadas para mobilizar a sociedade sobre o tema. A emissora realizou um fórum interno com especialistas, ativistas e funcionários nos Estúdios Globo e também participou do ‘Festival Path’, em São Paulo, com uma mesa formada por ativistas e formadores de opinião que discutiram o tema sob a ótica do mercado de trabalho. No próximo mês de julho, a Globo estará presente na Flip – Festa Literária de Paraty, e, durante a programação, vai participar de debates sobre as questões de identidade de gênero na literatura.

Fórum - No dia 28, ‘Primavera Feminista’ é o tema que abrirá o fórum, às 14h. A atriz Juliana Alves; a performer e poeta Tatiana Nascimento; Michele Seixas, representante da organização Articulação Brasileira de Lésbicas; e a filósofa e feminista Djamila Ribeiro conversarão sobre o corpo e seu lugar no movimento feminista.

Às 15h20, será exibido o curta-metragem ‘Além da Norma’. Incentivado pelo edital Curtas Universitários, uma parceria da Globo com o Canal Futura, o filme de 13 minutos traz entrevistas com jovens que se identificam como não-binários.
Lázaro Ramos comanda, às 15h40, ‘Novos olhares sobre masculinidade’, com Antônio Prata, roteirista e escritor; Lam Mattos, coordenador do Instituto Brasileiro de Transmasculinidades; Benedito Medrado, Pesquisador do Núcleo de Pesquisas em Gênero e Masculinidades da UFPE; e Julia Rosemberg, pesquisadora do Ssex Bbox.

A pesquisadora Helena Viera, a dramaturga Marcia Zanelatto e o ator Silvero Pereira debatem, com mediação de Bianca Ramoneda, a identidade de gênero na dramaturgia e os desafios da construção de personagens, às 17h30, em ‘Gênero e Representatividade’.

A atriz Larissa Bracher apresenta, às 18h30, o monólogo ‘Genderless’, inspirado na história real da primeira pessoa do mundo a ser reconhecida como ‘sem gênero específico’. Escrita por Marcia Zanellato e dirigida por Guilherme Leme Garcia, é uma das quatro peças curtas que compõem o consagrado espetáculo Ocupação Rio Diversidade.

‘LGBTQIA+: Mínimo denominador comum’, liderado por Renata Ceribelli, encerra o ciclo de discussões, às 18h50. Jaqueline Gomes de Jesus, psicóloga e pesquisadora do Odara; Nelson Netto, jornalista; Priscilla Bertucci, fundadora da Ssex Bbox; e Amiel Vieira, sociólogo, conversarão sobre as especificidades e os pontos em comum dos grupos que compõe a comunidade LGBTQIA.

Às 20h10, Linn da Quebrada, cantora transexual de 25 anos que vem ganhando espaço como voz do funk LGBT, faz pocket show para os participantes. E, durante toda a tarde, uma oficina de caracterização para drag queens com o perfomer Malonna será oferecida no Solar.

Caderno - Em 120 páginas, ‘Corpo: Artigo Indefinido’ se propõe a debater questões relacionadas à sopa de letrinhas que, com variações, chega a LBTTQIA+. Binarismo, feminismo, corpo, equidade, educação, mercado de trabalho, leis, são palavras aparecem nos textos, artigos e entrevistas de especialistas que já se tornaram referência em suas áreas.

A publicação, que se junta a uma coleção de 11 outros títulos de interesse social publicados pela Globo e disponíveis aqui no nosso site, começa com um ensaio fotográfico produzido com ativistas que participaram de o primeiro ciclo de debates, para convidados, nos Estúdios Globo. Cada um deles narra seu envolvimento com a causa de gênero.

No recheio do caderno, nomes internacionalmente conhecidos, como a filósofa norte-americana Judith Butler e a consultora Jessica Shortall, compartilham seu conhecimento.

Além da versão impressa, distribuída para parceiros e universidades, a versão digital estará disponível aqui no nosso site a partir do dia 28.