• Português

17.08.2015 - Pró-Equidade de Gênero e Raça mobiliza empresas privadas e públicas durante encontro, nesta 2ª feira, em São Paulo


Organizações fazem parte da sexta rodada de programa, que visa incentivar mudanças na gestão de pessoas e na cultura organizacional para alcançar a igualdade entre mulheres e homens no mundo do trabalho

Pró Equidade de Gênero e Raça mobiliza empresas privadas e públicas durante encontro, nesta 2ª feira, em São Paulo/

Empresas apresentam estratégias e boas práticas sobre gênero e raça

 

Cerca de 70 empresas privadas e públicas participam, nesta segunda-feira (17/8), em São Paulo de encontro promovido pelo Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça. Esta iniciativa é coordenada pela Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM), da Presidência da República, em parceria com a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), ONU Mulheres e Organização Internacional do Trabalho (OIT). Realizado na Fundação Getúlio Vargas (FGV), o evento foi inaugurado pela ministra da SPM, Eleonora Menicucci; pelo secretário-executivo do Ministério do Trabalho e Emprego, Paulo dos Santos Pinto, e por representante da diretoria da FGV.

As corporações fazem parte da sexta rodada da premiação, que visa incentivar mudanças na gestão de pessoas e na cultura organizacional para alcançar a igualdade entre mulheres e homens no mundo do trabalho. Na manhã de hoje (17), a oficial a cargo do Escritório da ONU Mulheres Brasil, Ana Carolina Querino, moderou painel com presidentes de empresas sobre boas práticas de gênero e raça. Foram expostas as experiências da Von, por sua vice-presidenta global, Marise Barroso; Apex Brasil, por seu presidente David Barioni Neto; e da CPRM Serviço Geológico do Brasil, Manoel Barretto.

Para Ana Carolina Querino, da ONU Mulheres, o Pró-Equidade de Gênero e Raça avança “ao ser apresentado para empresas que ainda não participam, mas demonstraram interesse”, com o objetivo de criar espaços de oportunidades para trabalhadoras e trabalhadores e valorização das suas identidades de gênero e raça. Um dos exemplos é a TAM, representada pela sua presidenta, Claudia Sender, que acompanha o encontro. Dentre as boas práticas em diversidade, há a participação da PWC, com Ana Malvéstio; da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiep), com Daviane Chemin; e Real Grandeza, com Horário de Oliveira.

Respeito e valorização da diversidade – O programa Pró-Equidade de Gênero e Raça é dirigido a empresas de médio e grande porte, públicas e privadas, com personalidade jurídica própria. A adesão ao programa é voluntária. Ao participar do programa, a empresa elabora a ficha perfil da organização e um Plano de Ação explicitando como vai desenvolver as ações de equidade de gênero e raça, de forma transversal e interseccional, dentro da organização.

A empresa que executa as ações de maneira satisfatória, no período do programa, conta com uma marca de gestão eficiente – o Selo Pró-Equidade de Gênero e Raça – que contribui para o alcance de bons resultados econômicos, financeiros e socioambientais, e a divulgação nacional e internacional (por meio eletrônico) sobre o compromisso assumido com a igualdade racial e entre mulheres e homens.