c Publicações – ONU Mulheres
  • Português

A ONU Mulheres é a organização das Nações Unidas dedicada à igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres.

Brasil

8 resultado(s) encontrado(s)
Resultado da pesquisa pelo ano de 
Selecione os filtros de pesquisa
Autoria
1 - 8 de 8 Resultado(s)
Tipo de Arquivo: PDF Tamanho: 12.1 MB Quantidade: 30 páginas

Cartilha da Publicidade Sem Estereótipos - Um guia para criar comunicações com modelos de gênero mais evoluídos

2019 Aliança Sem Esteriótipos e ONU Mulheres Brasil Empoderamento Econômico

"A Unstereotype Alliance é uma iniciativa setorial convocada em 2017 pela ONU Mulheres globalmente com o objetivo de acabar com estereótipos de gênero prejudiciais na comunicação. É uma plataforma de discussão e ação que usa a comunicação como uma força para impulsionar mudanças positivas. Ela procura erradicar estereótipos de gênero nocivos. A Aliança se concentra no empoderamento de mulheres em toda a sua diversidade (raça, classe, idade, capacidades, etnia, religião, sexualidade, língua, educação etc.) e enfrentando a masculinidade tóxica pa...Leia mais >>>
"A Unstereotype Alliance é uma iniciativa setorial convocada em 2017 pela ONU Mulheres globalmente com o objetivo de acabar com estereótipos de gênero prejudiciais na comunicação. É uma plataforma de discussão e ação que usa a comunicação como uma força para impulsionar mudanças positivas. Ela procura erradicar estereótipos de gênero nocivos. A Aliança se concentra no empoderamento de mulheres em toda a sua diversidade (raça, classe, idade, capacidades, etnia, religião, sexualidade, língua, educação etc.) e enfrentando a masculinidade tóxica para ajudar a criar um mundo igualitário."
Tipo de Arquivo: PDF Tamanho: 2.7 MB Quantidade: 44 páginas

Vamos conversar? Cartilha para o Enfrentamento à Violência contra as Mulheres

2016 Secretaria Adjunta de Políticas para as Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos do Distrito Federal, Ministério Público, Tribunal de Justiça do Distrito Federal e ONU Mulheres Brasil Prevenção e Fim da Violência contra as Mulheres

A Secretaria Adjunta de Políticas para as Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos do Distrito Federal, o Ministério Público, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e a ONU Mulheres Brasil lançaram, no Dia Internacional da Mulher de 2016, a cartilha “Vamos conversar?” para enfrentamento da violência doméstica e familiar contra as mulheres. Com criação de arte da designer feminista Carol Rossetti e apoio da Embaixada do Reino dos Países Baixos, a publicação é resultado de um trabalho coletivo para a divulgação de informações sobre o fenô...Leia mais >>>
A Secretaria Adjunta de Políticas para as Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos do Distrito Federal, o Ministério Público, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e a ONU Mulheres Brasil lançaram, no Dia Internacional da Mulher de 2016, a cartilha “Vamos conversar?” para enfrentamento da violência doméstica e familiar contra as mulheres. Com criação de arte da designer feminista Carol Rossetti e apoio da Embaixada do Reino dos Países Baixos, a publicação é resultado de um trabalho coletivo para a divulgação de informações sobre o fenômeno da violência doméstica e familiar contra as mulheres, a Lei Maria da Penha e e está voltada à garantia de direitos das mulheres.
Tipo de Arquivo: PDF Tamanho: 1.276 KB Quantidade: 41 páginas

Vieses Inconscientes, equidade de gênero e o mundo corporativo: lições da oficina vieses inconscientes?

2016 Insper, Movimento Mulher 360, PwC Brasil e ONU Mulheres Brasil Empoderamento Econômico

"Esse guia tem por objetivo compartilhar conhecimento teórico e prático sobre vieses inconscientes, também conhecidos pela nomenclatura em inglês Unconscious Bias. O guia é fruto da oficina Vieses Inconscientes, realizada pelo Insper, Movimento Mulher 360, PwC e ONU Mulheres no dia 03 de junho de 2016 com a presença de cerca de 60 pessoas representando 31 diferentes organizações, dentre elas 22 grandes empresas. A discussão sobre os vieses inconscientes tem ganhado espaço nos últimos anos, inclusive na agenda de gênero. Empresas têm se comprome...Leia mais >>>
"Esse guia tem por objetivo compartilhar conhecimento teórico e prático sobre vieses inconscientes, também conhecidos pela nomenclatura em inglês Unconscious Bias. O guia é fruto da oficina Vieses Inconscientes, realizada pelo Insper, Movimento Mulher 360, PwC e ONU Mulheres no dia 03 de junho de 2016 com a presença de cerca de 60 pessoas representando 31 diferentes organizações, dentre elas 22 grandes empresas. A discussão sobre os vieses inconscientes tem ganhado espaço nos últimos anos, inclusive na agenda de gênero. Empresas têm se comprometido cada vez mais com a igualdade de gênero e com o empoderamento das mulheres e os motivos para esse compromisso são muitos. Segundo Ana Malvestio, sócia da PwC Brasil e líder de Diversidade e Inclusão, Nos, como firma de serviços, temos como propósito construir confiança na sociedade e resolver problemas complexos. Para isto, precisamos ver o mundo sob diversos aspectos. E só podemos fazê-lo sendo uma organização diversa e inclusiva."
Tipo de Arquivo: PDF Tamanho: 2.7 MB Quantidade: 12 páginas

Violência contra a Mulher no Ambiente Universitário

2015 Instituto Avon, Data Popular, ONU Mulheres Brasil Prevenção e Fim da Violência contra as Mulheres

O Instituto Avon, o Data Popular e a ONU Mulheres divulgaram, em dezembro de 2015, a pesquisa “Violência contra a mulher no ambiente universitário”, que analisa a percepção e comportamento dos jovens diante do tema. O levantamento ouviu 1.823 universitários das cinco regiões do país, sendo 60% mulheres e 40% homens. Entre as entrevistadas, 67% já sofreram algum tipo de violência (sexual, psicológica, moral ou física) no ambiente universitário.
Tipo de Arquivo: PDF Tamanho: 2.1 MB Quantidade: 185 páginas

Modelo de Protocolo Latino-Americano de Investigação de Mortes Violentas de Mulheres por Razões de Gênero

2014 Escritório Regional para a América Central do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (OACNUDH), ONU Mulheres Brasil Prevenção e Fim da Violência contra as Mulheres

"O Modelo de Protocolo latino-americano de investigação de mortes violentas de mulheres por razões de gênero ( femicidio / feminicidio ) é um instrumento prático, destinado a ser aplicado por funcionários e funcionárias responsáveis por levar a frente a investigação e persecução penal destes atos. Seu principal objetivo é proporcionar orientações e linhas de atuação para melhorar a prática dos/as operadores/as de justiça, especialistas forenses ou qualquer pessoal especializado que intervenham na cena do crime, no laboratório forense, no inter...Leia mais >>>
"O Modelo de Protocolo latino-americano de investigação de mortes violentas de mulheres por razões de gênero ( femicidio / feminicidio ) é um instrumento prático, destinado a ser aplicado por funcionários e funcionárias responsáveis por levar a frente a investigação e persecução penal destes atos. Seu principal objetivo é proporcionar orientações e linhas de atuação para melhorar a prática dos/as operadores/as de justiça, especialistas forenses ou qualquer pessoal especializado que intervenham na cena do crime, no laboratório forense, no interrogatório de testemunhas e supostos responsáveis, na análise do caso, na formulação da acusação, ou ante os tribunais de justiça. O conteúdo deste Modelo de Protocolo ampara-se não somente em elementos teóricos essenciais para entender a dimensão de gênero das mortes violentas de mulheres, como também, na experiência e aprendizagens das pessoas que participam diariamente destes processos."
Tipo de Arquivo: PDF 9.8 MB Tamanho: Quantidade: 434 páginas

O Progresso das Mulheres no Brasil 2003–2010

2011 Cepia – Cidadania, Estudo, Pesquisa, informação e ação, ONU Mulheres Brasil Desenvolvimento

"A Cepia, com o apoio da ONU Mulheres, reedita, amplia e atualiza o livro O Progresso das Mulheres no Brasil, analisando a situação da mulher no período 2003-2010 nas áreas do trabalho, da política, dos direitos civis e políticos, da violência, da educação, da saúde e direitos sexuais e reprodutivos, no ambiente rural e urbano. Analisa também a diversidade étnico-racial e traça percursos da ação de advocacy dos direitos humanos das mulheres. Com a contribuição de renomados especialistas, esta publicação apresenta os avanços ocorridos e os desaf...Leia mais >>>
"A Cepia, com o apoio da ONU Mulheres, reedita, amplia e atualiza o livro O Progresso das Mulheres no Brasil, analisando a situação da mulher no período 2003-2010 nas áreas do trabalho, da política, dos direitos civis e políticos, da violência, da educação, da saúde e direitos sexuais e reprodutivos, no ambiente rural e urbano. Analisa também a diversidade étnico-racial e traça percursos da ação de advocacy dos direitos humanos das mulheres. Com a contribuição de renomados especialistas, esta publicação apresenta os avanços ocorridos e os desafios para as próximas décadas. A Cepia e a ONU Mulheres esperam que essa publicação representa um instrumento de conhecimento e de atuação política na promoção do Progresso das Mulheres Brasileiras."
Tipo de Arquivo: PDF 1.030 KB Tamanho: Quantidade: 63 páginas

Guia para jornalistas sobre GÊNERO, RAÇA E ETNIA

2011 FENAJ - Federação Nacional dos Jornalistas, ONU Mulheres Brasil Gênero e Raça, Comunicação e advocacy

"Esta publicação é uma ferramenta do plano pedagógico do curso de formação de jornalistas na temática de gênero, raça e etnia. Tem o propósito de auxiliar jornalistas (que desempenham as funções de produção, reportagem, redação, edição e direção de redação) e estudantes de Jornalismo na tarefa de cobrir os temas com recorte de gênero, raça e etnia no dia a dia da imprensa. Historicamente, a mídia recusa a adoção de uma perspectiva de gênero em seus conteúdos e reforça os estereótipos de gênero, raça e etnia, limitando a veiculação da opinião da...Leia mais >>>
"Esta publicação é uma ferramenta do plano pedagógico do curso de formação de jornalistas na temática de gênero, raça e etnia. Tem o propósito de auxiliar jornalistas (que desempenham as funções de produção, reportagem, redação, edição e direção de redação) e estudantes de Jornalismo na tarefa de cobrir os temas com recorte de gênero, raça e etnia no dia a dia da imprensa. Historicamente, a mídia recusa a adoção de uma perspectiva de gênero em seus conteúdos e reforça os estereótipos de gênero, raça e etnia, limitando a veiculação da opinião das mulheres em geral e invisibilizando a participação das mulheres negras e indígenas em todas as esferas da sociedade."
Tipo de Arquivo: PDF Tamanho: 2.7 MB Quantidade: 32 páginas

CARTILHA DIREITOS DA MULHER PREVENÇÃO À VIOLÊNCIA E AO HIV | AIDS

2010 ACNUR, OPAS, UNAIDS, UNFPA, ONU Mulheres Brasil Prevenção e Fim da Violência contra as Mulheres

"Este guia informa as mulheres sobre as diversas situações de violência de que podem ser vítimas e como se prevenir e buscar ajuda. Também explica os direitos sexuais e reprodutivos e as formas de prevenção ao HIV/AIDS e a outras doenças sexualmente transmissíveis. A violência contra a mulher atinge mulheres dentro e fora da família e não é praticada somente por meio de agressão física, como tapas, socos, pontapés, chutes etc. Existe também a violência psicológica, moral, patrimonial e sexual. A violência sexual pode ocasionar gravidez indeseja...Leia mais >>>
"Este guia informa as mulheres sobre as diversas situações de violência de que podem ser vítimas e como se prevenir e buscar ajuda. Também explica os direitos sexuais e reprodutivos e as formas de prevenção ao HIV/AIDS e a outras doenças sexualmente transmissíveis. A violência contra a mulher atinge mulheres dentro e fora da família e não é praticada somente por meio de agressão física, como tapas, socos, pontapés, chutes etc. Existe também a violência psicológica, moral, patrimonial e sexual. A violência sexual pode ocasionar gravidez indesejada e abortos espontâneos, aumentando o risco de infecção por doenças sexualmente transmissíveis e pelo HIV. É importante saber que a violência pode ocorrer no espaço público e no espaço doméstico. Este guia tem por objetivo servir de auxílio para todas as mulheres vítimas de violência e para todas as pessoas que queiram atuar no enfrentamento á violência contra a mulher."
1 - 8 de 8 Resultado(s)